quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Click 2008

Apresentaçao: Essas fotos foram tiradas na primeira edição do Click em 2008 e estão nas fotos Anelise Gutterres, Viviane Vedana, Ana Luiza Rocha, Rafael Devos, Babydiba de Iemanja.
Tags: Por Onde Andamos.



















quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A Memória da Cultura do Trânsito no Bairro Santana.

Apresentação: Este texto foi apresentado no XXII Salão de Iniciação Científica, pela bolsista Marize Schons.
Fundo de Origem:
BIEV/ LAS/ NUPECS/ PPGAS.
Fonte: Antropologia da memória do trabalho na cidade moderno-contemporâneo. CAPES 2009. Coordenação Dr. Cornelia Eckert.

Autor: Marize Schons. Bolsista de Iniciação Científica. PROBIC/FAPERGS. Orientadora Dr. Cornelia Eckert.
Local: Porto Alegre.
Data:
21 de Outubro de 2010.

Tags: Por Onde Andamos
.




Texto Marize



domingo, 28 de novembro de 2010

Formas de sociabilidad y ocupación del espacio en una “cuadra” de la Avenida Borges de Medeiros - Parte 2

Apresentação: Fragmento de diario de campo que presenta las primeras observaciones de una aprendiz de etnógrafa sobre las interacciones cotidianas de las personas que viven y trabajan en una calle del centro de Porto Alegre
Fundo de origem: BIEV/LAS/NUPECS/PPGAS
Fonte: Alternidades populares en los imaginarios y las identidades culturales urbanas
Autor: Ana Cecilia Silva (CONICET, Argentina)
Local: Porto Alegre
Data: Outubro de 2010
Tags: Rapsodia urbana.

Primeros olhares sobre uma "cuadra" de Porto Alegre

De este lado de la vereda y de mis preguntas, junto al edificio, hay una peluquería y “salón de belleza”. Es un local pequeño, con una vidriera en la que se exhiben productos de cosmética y carteles con fotografías de mujeres bellas en los que figura la lista de servicios que se ofrecen. En la vereda, junto a una gran maceta de material, hay un banco “de plaza”, ubicado de espaldas a la calle y mirando hacia la fachada del local. El banco es de madera, con pies de hierro forjado. Hoy hay dos mujeres sentadas, ambas rondando los 40 años. Una de ellas parece ser empleada de la peluquería; lleva un delantal encima de la ropa, pantalones de jean y bastante “bijouterie”. Ha sacado los pies de sus ojotas, que quedaron en el suelo. Estira sus piernas y mueve los pies con movimientos relajatorios, mientras conversa con la otra mujer. La puerta de la peluquería-salón está abierta, y puede verse en su interior a otras mujeres, unas cuatro o cinco, clientas y empleadas, en un clima de distensión. Ninguna parece apurada. Una señora de unos 60 años, con tintura en el cabello, lee el diario de espaldas a la puerta. Reparo en que ese banco en la vereda oficia de espacio de encuentro y sociabilidad femenina, una suerte de apropiación del espacio público como extensión del negocio.
Hago unos pasos más en la misma cuadra y entro ahora en “territorio” masculino: un bar con mesas en la vereda, mesas y sillas de plástico, de un color amarillo estridente, donde suelo ver un grupo de hombres sentados, en diferentes horarios. Las caras cambian pero la escena es la misma: tienen sus “chops” de cerveza en la mesa, conversan, las sillas ligeramente orientadas
hacia la calle, miran a los que pasan y si es una mujer joven seguro comentan algo. Hoy, a esta hora, hay sólo un hombre, flaco, canoso y con ropa de trabajo, que toma una gaseosa. Se ha colocado mirando hacia a la calle y observa a las personas que pasan, entre ellas yo. Nuestros ojos se cruzan por unos instantes, parece perdido en sus pensamientos.
En seguida noto que otro punto de encuentro y reunión de varones está funcionando en ese mismo momento al lado, en un garage-lavadero de autos. Un grupo de hombres de distintas edades está conversando de pie en la entrada del establecimiento. Más atrás, otro hombre mayor de edad, de pelo blanco, muy delgado y con la piel curtida, cuya cabeza está coronada por una gorra deportiva de colores fuertes los observa de pie con un ejemplar del diario Zero Hora abierto en sus manos. A su lado veo dos sillas de plástico, éstas de color blanco, con almohadones, que han sido colocadas en la vereda de cara a la calle y parecen cumplir una función semejante a la del banco de plaza de la peluquería.
Llegando a la esquina, un edificio con el frente cubierto de rejas y al lado, la sede de una Universidad privada que no tiene rejas pero sí un guardia de seguridad con uniforme y cara de pocos amigos. Doblando apenitas, el otro acceso al lavadero y un puesto callejero de comida “rápida” (panchos, pasteles fritos) que ya está en plena actividad y completa el abanico de actividades comerciales y de servicios que se despliega en la cuadra (al que se suma, los fines de semana, la venta de antigüedades y objetos usados en la plaza).
Justo en la esquina, la garita que marca la parada de colectivos con su circulación de personas que esperan, estudiantes con sus mochilas con el logo de la UFRGS , una mujer apurada que lleva de la mano a una nena de unos diez años íntegramente vestida de rosa. Apenas termino de acomodarme en la cola cuando veo aparecer “mi” ómnibus entre el flujo ininterrumpido de vehículos que emerge, en dirección al centro, desde lo alto del viaducto que eleva la avenida Borges de Medeiros por encima del lago de los Açorianos.



quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Formas de sociabilidad y ocupación del espacio en una “cuadra” de la Avenida Borges de Medeiros - Parte 1

Apresentação: Fragmento de diario de campo que presenta las primeras observaciones de una aprendiz de etnógrafa sobre las interacciones cotidianas de las personas que viven y trabajan en una calle del centro de Porto Alegre
Fundo de origem: BIEV/LAS/NUPECS/PPGAS
Fonte: Alternidades populares en los imaginarios y las identidades culturales urbanas
Autor: Ana Cecilia Silva (CONICET, Argentina)
Local: Porto Alegre
Data: Outubro de 2010
Tags: Rapsodia urbana.

Primeros olhares sobre uma "cuadra" de Porto Alegre

Son las 9 y media de la mañana y salgo a la calle desde el edificio en el que estoy parando, cerca del centro; “perto de todo” me dicen acá. El día está apenas tibio, hará unos 18 grados y un viento intermitente trae y lleva sonidos y olores. [...]
Voy caminando por la calle Cel. Genuíno hacia la avenida Borges de Medeiros, para tomar el colectivo que me llevará al campus de la Universidad. La vereda está ocupada por andamios, bolsas de material y “medias sombras” que cuelgan del frente del edificio. Están haciendo arreglos en la fachada, y los golpes y martillazos de los albañiles trabajando se suman al paisaje sonoro de esa esquina: ruido de motores, vehículos en marcha, alguna bocina, voces que se acercan y se alejan, de vez en cuando un grito de los obreros, también ruidos de obra más lejanos que vienen de algún otro edificio del otro lado de la avenida. La experiencia también es olfativa: bocanadas de un olor acre y complejo, mezcla de orines de antigüedad variable que a su vez le dan cierta viscosidad a las veredas, grasa de motores, combustible y basura alternan con el perfume de árboles y plantas y el olor a comida que emerge de bares y puestos “al paso”.
La plaza de enfrente está parcialmente oculta detrás de un cerco de vehículos. En esta esquina he observado que paran varios fleteros, con sus camionetas, vehículos utilitarios con sus carteles de madera, pintados a mano, ofreciendo servicio de traslados y mudanzas; otros dicen solamente “frete”. Detrás de ellos asoma la vegetación frondosa de la plaza, las hamacas y juegos para niños, de madera, pintados de colores brillantes.
Del otro lado de la plaza se encuentra la parada de taxis, una construcción de madera con techo “a dos aguas” junto a la cual se puede ver la hilera de autos pintados de su característico color naranja. Algunos choferes conversan de pie en la vereda, toman mate, mientras esperan a los pasajeros. A esta hora ya no está la mujer joven que desde algunas noches he notado que duerme regularmente en la plaza, con un perrito negro, en un colchón y cubierta con mantas de los pies a la cabeza. He leído, en un trabajo de la Universidad sobre esta misma esquina, que se referían a esta plaza como territorio “de nadie”. Parece que esta mujer y otros dos hombres que también suelen dormir ahí son esos “nadies” que efectúan a diario, cada noche, el gesto de ocupación y apropiación de ese espacio público que les ha sido sustraído estructuralmente, expulsando a los otros/as (¿los “alguien?) que los esquivan, cruzan de calle, desvían la mirada entre el miedo y la indiferencia. Tensiones invisibilizadas por la luz de la mañana, de la que se han ido la mujer y el perrito negro y su colchón y sus mantas.

domingo, 21 de novembro de 2010

BIEV no curso de Museologia da UFPA

Apresentação: As fotos abaixo mostram a apresentação do trabalho do BIEV para o curso de Museologia da Universidade Federal do Pará, feita por Rafael Martins Lopo, no âmbito do Programa de Cooperação Acadêmica (PROCAD) entre a UFRGS e a UFPA.
Tags
:
Por onde andamos




quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Rede Social de Inserção Profissional dos Despachantes na Área do Trânsito em POA

Apresentação: As informações para a construção da rede social de inserção profissional dos despachantes na área do trânsito foram retiradas de diários de campo e entrevistas não-diretivas (THIOLLANT, 1987) realizadas com informantes principais. Apresento essa rede para pensar o que levou meus interlocutores a entrar na área do trânsito, visto que, a profissão de despachante não era regularizada e não tinha um curso de especialização até 2002, portanto, era uma profissão especifica que dependia de um conhecimento burocrático especifico e que, segundo informantes, foi adquirido no cotidiano da antiga região dos despachantes na Freitas de Castro.
Fundo de Origem: BIEV/LAS/PPGAS/NUPACS-UFRGS
Fonte: Antropologia da memória do trabalho na cidade moderno-contemporânea. CAPES. 2009. Coordenação Dr. Cornelia Eckert.
Autor: Marize Schons. Bolsista de Iniciação Científica PROBIC/FAPERGS, Priscila Farfan Barroso (Orientação), Viviane Vedana (Supervisão).
Data: 3 de outubro de 2010.
Local: Rua Freitas de Castro, Bairro Santana. Porto Alegre-RS
Tags: Rede Social de Trabalho


A hipótese que perpetuou durante toda a realização da rede de inserção dos despachantes no campo profissional do trânsito foi a relação de parentesco associada a uma passagem de saberes e fazeres de pai para filho, e assim por diante. Não necessariamente apenas para a profissão de despachante, mas para a área do trânsito em geral como, por exemplo, emplacamento de carros e prestação de serviço nas novas instituições do DETRAN. Junior que emplaca carros e Patrícia que trabalha no escritório de despachante de sua mãe; são filhos de Marlene e Luiz e inseriram-se no trânsito pelo trabalho dos pais. Assim como Luiz que começou a trabalhar como despachante depois do casamento com Marlene em 1973. Gustavo e Cristiane, filhos de Odir, trabalharam respectivamente no Conselho Estadual dos Despachantes e no Centro de Registro de Automotores Zona Sul. Roger, filho de Robinson, trabalha como vendedor de carros; e Hichard trabalhou com o pai nos anos 90, mas hoje é professor de Educação Física. Portanto, nesses casos analisados, os filhos não assumem uma posição oficial de despachante credenciado, mas dentro de um campo de possibilidade (VELHO, 2007) inserem-se profissionalmente em outras áreas burocráticas ou comerciais do trânsito. Através de uma foto tirada no final dos anos 80, durante uma viagem promovida pelo sindicato com um grupo de despachantes pelo litoral do Rio Grande do Sul, apresento alguns informantes e seus filhos compartilhando uma situação de lazer, relacionando-se fora do ambiente de trabalho e além dos seus respectivos núcleos família.















Referências
ECKERT, Cornelia e ROCHA, Ana Luiza Carvalho. Etnografia de Rua: Estudo de Antropologia Urbana. Rio Grande do Sul. ILUMINURAS, Vol. 4, No 7. 2003.
THIOLLENT. Michel J. M. Crítica Metodológica investigação social e Enquete Operária. Editora Polis. 5ª Edição 1987.
VELHO, Gilberto (org.) Rio de Janeiro: cultura, política e conflito. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed. 2007.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

BIEV 2004

Apresentação: Estas fotos foram tiradas durante uma reunião do Grupo do Vídeo, que na época era composto por Rafael Devos, Thaís Cunegatto, Luciano Spinelli, Olavo Marques e Felipe.
Tags: Quem esteve entre nós.







sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Um Banco e Suas Imagens

Apresentação: Em uma das primeiras saídas à campo me coloco como observador de um quadro, nele não há nada do que um dia pode se chamar de cinema, apenas há um vão de um estacionamento. Ainda com uma fantasia na cabeça saí a procura de alguem que me "daria a pesquisa" facilitando a minha etnografia.
Fundo de Origem: BIEV/LAS/NUPECS/PPGAS
Fonte: Pesquisa antropológica com processos de modelização da memória coletiva e de extroversão de acervos – CNPq (ALCR)
Autor: Pedro da Rocha Paim – bolsista BIT CNPq
Data: 19/05/10
Local: Bairro Bom Fim
Tags: Tecendo a Observação Participante

Minha caminhada começa realmente quando passo pelo viaduto ali da Mariante, essa é a demarcação física que eu pensei já que não tenho a mínima idéia de onde começa ou termina o Bom Fim. Caminho pela calçada da direita de que vai para o centro, o chão como sempre sujo e sempre com muitos carros, passo pela Ramiro e já começo a sentir o cheiro de comércio crescendo, lojas de vários tipos como de sapatos e/ou roupas.
Passando pelo HPS o movimento começa a aumentar, vendedores de rua começam a aparecer nas calçadas, eles vendem de tudo (igual as lojas) luvas, cachecóis, capas para celular, pulseiras, rádios.... Estou no que chamo de Bom Fim da Osvaldo uma área que de um lado há um parque (caindo aos pedaços à primeira vista) e do outro uma série de lojas e estacionamentos. É o que o Baltimore se tornou, um estacionamento gigantesco, e já que é ele que eu quero pesquisar atravessei a rua e sentei no mesmo banco da primeira vez, o banco fica na frente do campo de futebol da redenção ele é bem simples e da uma visão muito boa do lugar que era o Baltimore.
Me sento e começo a esperar que alguma santa alma venha aqui se torne o informante chave, tirei algumas fotos de como é a visão de frente para o terreno.


Então em um movimento de quem percebe que ficar parado ali por mais meia hora não dará nada vou até a lancheria do parque em busca de um informante e um café. A lancheria do parque é um lugar bem variado, as pessoas vão para lá desde tomar um café de manhã ou tomar um suco até jantar alguma coisa. Eu estava como já disse pelo café e por um/uma informante, não necessariamente nessa ordem. Como de costume o lugar estava quase cheio, eu entrei e pedi um suco já que me lembrei que o suco ali é muito bom e já ajuda a começar algum bate-papo, quanta ingenuidade, o cara que me serviu não esperou nem o obrigado... saiu correndo para atender um grupo que estava sentado em uma mesa. Tomei meu suco e saí para voltar ao meu já conhecido banco, nele já estava uma mulher chamada Neusa, ela estava de cabelo preso e com roupas simples, me sentei ao lado dela e puxei a câmera, tirei algumas fotos do que há atrás de mim, do campo de futebol e ela me perguntou o que estava fazendo. Tentei explicar sobre a faculdade e perguntei o nome dela e se trabalhava por aqui. Ela disse que era Neusa e que trabalhava como faxineira no Centro, perguntei se ela morava no Bom Fim e ela disse que estava ali apenas para se encontrar com uma amiga e que morava no Bom Jesus, eu comentei sobre a minha dificuldade de achar alguém para me falar de suas experiências e ela apenas brincou “se tu fazer isso sobre o Bom Jesus eu te ajudo”. Peguei meu caderno para anotar a citação que acabei de fazer e tirei mais umas fotos, enquanto isso a amiga de Neusa chegou e ela se despediu.
Depois que Neusa saiu fiquei pensando sobre esses pequenos bate-papos que tenho nas vezes que fui para aquele banco, todos tem em comum que as pessoas sentam ali para passar o tempo, para fazer nada talvez eu que esteja procurando no lugar errado, a posição é boa porque estou de frente para o terreno que era o Baltimore mas acho difícil encontrar alguém que tenha essa relação com o Bom Fim e muito menos com o antigo cinema. Essa era a segunda vez que fui sentar naquele banco e para não ser em vão eu fiquei ali durante uns dez minutos pensando em algo interessante de se pensar ou escrever... não cheguei em nada apenas uma idéia de que da próxima vez viria em um horário diferente, não mais de manhã mas sim de tarde.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Formulário Captação de Som - Parte 1

Apresentação: Esta é uma ficha de avaliação da qualidade da gravação sonora em campo, nesta caso, uma entrevista com a principal informante da pesquisa. A vendedora ambulante escolheu a Praça de Alimentação num “lojão” do Centro de Porto Alegre para ser entrevistada, e por isso é importante avaliar o resultado da captação do som a fim de ter controle da qualidade do material que será editado.
Fundo de origem: BIEV/NUPECS/LAS/PPGAS
Fonte: Projeto Coleções etnográficas, itinerários urbanos e patrimônio etnológico: a criação de um museu virtual. – FAPERGS/CNPq (ALCR)
Autor: Priscila Farfan Barroso (Bolsista de IC/FAPERGS)
Local: Porto Alegre/RS
Data: 09 de outubro de 2007
Tags: Decupagem



FORMULÁRIO DE CAPTAÇÃO DE SONS
BIEV/UFRGS
1) Dados de Identificação:
Local: 2ª andar do Center Shop, na Rua Rui Barbosa próximo a Rua Voluntários da Pátria, no Centro de Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Data (mês/ano): 15 de outubro de 2008
Hora: Entre 12:00 e 13:00 horas
Pesquisador: Priscila Farfan Barroso
Situação: Entrevista com Maria, camelô antiga

2) Equipamentos utilizados:
(x) Microfone (tipo e modelo): omnidirecional
(x) Gravador (tipo e modelo): MD
( ) Manopla (tipo e modelo: _________________________________________
( ) Outros (tipo e modelo:___________________________________________

3) Descrição do espaço (acústica):
(aberto, fechado, forma, pessoas, prédios, carros, etc.)
O Center Shop é um espaço fechado, e se constitui de variadas repartições dentro do mesmo espaço. Eu e Maria estávamos no 2ª andar, onde fica a Praça de Alimentação, como era horário de almoço havia algumas pessoas almoçando, mas não estava muito movimentado. O burburinho de conversa era fraco, entretanto naquele andar havia uma música ambiente, talvez na freqüência de alguma rádio da cidade, que soava ao fundo no local da entrevista. Mesmo que estivéssemos num canto da Praça da Alimentação, havia movimentos de pessoas em direção a uma porta que só podia entrar funcionários, e também garçons que limpavam a mesa quando algum cliente saia. Ainda que o local fosse um “lojão”, tinha certo silêncio em que a entrevista poderia ser realizada, e de alguma forma a constituição da voz de Margarete confluindo com a ambiência do lugar configuraria uma estética de classe popular.

domingo, 19 de setembro de 2010

Formulário Captação de Som - Parte 2

Apresentação: Esta é uma ficha de avaliação da qualidade da gravação sonora em campo, nesta caso, uma entrevista com a principal informante da pesquisa. A vendedora ambulante escolheu a Praça de Alimentação num “lojão” do Centro de Porto Alegre para ser entrevistada, e por isso é importante avaliar o resultado da captação do som a fim de ter controle da qualidade do material que será editado.
Fundo de origem: BIEV/NUPECS/LAS/PPGAS
Fonte: Projeto Coleções etnográficas, itinerários urbanos e patrimônio etnológico: a criação de um museu virtual. – FAPERGS/CNPq (ALCR)
Autor: Priscila Farfan Barroso (Bolsista de IC/FAPERGS)
Local: Porto Alegre/RS
Data: 09 de outubro de 2007
Tags: Decupagem


4) Condições de gravação:
( ) Externa (chuva, obras, etc.):
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
( x) Interna (casa de madeira ou tijolos, cortinas, moveis estofados, etc.):

Estávamos sentadas à mesa, num canto da parede com vista para a parte debaixo do Center Shop, e talvez por isso o som esteja um pouco abafado. Não tinha muitas pessoas nesta Praça de Alimentação.



5) Condições etnográficas de gravação:
( x ) Os pontos de escuta: Toda a entrevista ocorre num mesmo local. A escolha dessa mesa no canto se deu por que a hipótese de que menos pessoas circulariam por ali. E também naquele local o música ambiente, que soava nas caixas de som do Center Shop, estava num volume mais baixo ali. Eu apontei o microfone para Maria, mas ele fica no meio de nós duas, de modo que eu estou em frente à ela.
( x ) O pesquisador em campo e suas interações: Enquanto ocorria a entrevista com Maria, um dos garçons passa o pano em nossa mesa, mas isso não interfere sonoramente na gravação. Depois uma moça, que estava sentada na mesa atrás de mim, pergunta as horas para nós, e então Maria responde. Quanto a interação com Maria, posso dizer que ela parecia disposta a contar sobre a sua trajetória social, entretanto pelo ritmo de sua fala percebe-se que houveram momentos mais profícuos em relação à outros.

( x) Experiências no campo: Ter a atenção de uma mulher mais velha, que tem experiência do trabalho na rua, e é conhecedora de regiões da cidade que eu não conheço, me deixou um pouco insegura, pois como uma menina de 23 anos que não é de Porto Alegre poderia compreender o que dizia Maria? Entretanto, a vendedora informal se preocupou em explicar cada ponto que parecia confuso para a aprendiz de antropóloga, mesmo que em alguns momentos os assuntos fossem conduzidos para outras questões.

6) Avaliação
a) Avaliação dos resultados técnicos (qualidade do áudio): A voz da fala de Maria está sempre em primeiro plano, e pode-se ouvir com clareza o que diz. Durante a entrevista a antiga camelô gesticula, faz sons com as mãos, esbarra no microfone, mas mesmo assim não a qualidade do áudio não é prejudicada.

b) Avaliação dos resultados narrativos (encadeamento de cenas, histórias que podem ser contadas, caráter etnográfico da captação, etc.):
No começo da entrevista, Maria conta sobre sua trajetória social, sem interrupções ela parece ter um discurso pronto, ou seja, encadeia certas cenas para contar como começou a trabalhar como camelô e depois saiu de Pelotas e veio para Porto Alegre. Ao mesmo tempo em que fala de sua rede de solidariedades através da condição de trabalho como vendedora de rua, dá pistas de sua narrativa biografia quando comenta sobre os maridos que teve e o relacionamento com sua família. Na fala dela pode-se captar o ritmo do trabalho informal, um aspecto aventureiro da profissão, em que se tem a melhor banca da rua, e no dia seguinte é possível perder tudo. Entre esses altos e baixos, Maria conta suas interações com outros vendedores ambulantes, entre competição e a amizades com camelôs novos e antigos, dessa forma a condição ambígua de estar na rua está presente em toda a entrevista, o que reflete a riqueza da interação que permitiu falar sobre trajetória social.

domingo, 22 de agosto de 2010

GRUEE 2010 - Julho - Parte 2

Apresentação: As fotos a seguir foram tiradas em uma reunião do GRUEE em julho de 2010, estão nas fotos Marize, Stephanie, Pedro, Deborah, Renata, Bianca, Anelise, Ana Paula Soares, Priscila, Ana Paula, Juliana e Ana Luiza.
Tags:
Quem esteve entre nós







sábado, 14 de agosto de 2010

GRUEE 2010 - Julho - Parte 1

Apresentação: As fotos a seguir foram tiradas em uma reunião do GRUEE em julho de 2010, estão nas fotos Marize, Stephanie, Pedro, Deborah, Renata, Bianca, Anelise, Ana Paula Soares, Priscila, Ana Paula, Juliana e Ana Luiza.
Tags:
Quem esteve entre nós








quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Revista Iluminuras: "Cultura e Suas Formas de Expressão Sonora"

Apresentação: Estas postagens fazem referência a alguns artigos presentes na Revista Iluminuras volume 11 número 25 de 2010 Cultura e suas formas de expressão sonora. Esta edição da revista é um dos resultados do encontro entre pesquisadores – do Brasil e de outros países da America Latina – preocupados em investigar, através da etnografia, as sonoridades da cultura. Na VIII Reunião Brasileira de Antropologia, que ocorreu em setembro de 2009 na cidade de Buenos Aires, o intercâmbio entre estes pesquisadores resultou em debates teóricos e metodológicos sobre o som como parte das inquietações do campo de conhecimento da antropologia. Os artigos que compõem esta revista decorrem deste debate, onde vamos perceber os desafios da produção de uma etnografia sonora, seja no que tange ao registro e tratamento do documento etnográfico, seja na conformação de processos de classificação e interpretação dos dados de campo. Aqui no blog apresentaremos algumas narrativas sonoras que compõem a escrita destes artigos, sendo que cada texto que é acompanhado de sons possui também um link que direciona o leitor para este blog.

Acesse a Revista Iluminuras e...boa leitura!!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

ETNOGRAFÍA Y PAISAJE SONORO - A Continuação.

Autores: Andrés Mario Fortunato Mankoch (AZAPA Producciones Ltda.), César Ignacio Borie Cervellino (AZAPA Producciones Ltda.)

Resumen

Nuestra propuesta de trabajo como equipo posiciona el sonido como parte integral de la experiencia etnográfica transmitida al lector/oyente, esto gracias a su capacidad de describir, contextualizar y/o evocar aquellos escenarios, voces, melodías y emociones que, como un todo, nos sitúan en el terreno mismo de la práctica etnográfica. Los paisajes sonoros, empleados con diversos énfasis dentro de nuestro trabajo, serán estudiados como una herramienta etnográfica independiente de los dispositivos gráficos y textuales. Se trata así de una estrategia reflexiva que busca revisar las distintas facetas exploradas en el ámbito de los paisajes sonoros y destacar sus potencialidades como transmisores de significado. En este artículo se discutirá dicha apuesta metodológica a la luz de los resultados de dos proyectos de investigación realizados en Azapa (extremo norte de Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) y “Azapa. El Ño Carnavalón” (2008), y de un proyecto desarrollado en Isla Mocha (zona centro-sur), “Mocha. Memorias Loberas” (2007).

Palabras Claves: Etnografía. Paisajes sonoros. Metodología.

Abstract
Our team’s research proposal deals with sound as an integral part of the ethnographic experience transmited to the reader/listener, this is achieved thanks to the capability of sound to describe, contextualize and evoke those scenarios, voices, melodies and emotions that, as a whole, locate us in the field of ethnographic practice. The soundscapes, used with diverse emphasis in our work, will be studied as an ethnographic tool independent from graphic and textual components. Thus, this is a reflexive approach that aims to go through our explorations in the realm of soundscapes and highlight their potential for meaning transmition. That methodological approach is discussed in this paper facing the results of two research proyects that took place in Azapa (Northern Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) and “Azapa. El Ño Carnavalón” (2007), and one developed in Mocha Island (South-Central Chile): “Mocha. Memorias Loberas” (2007).
Keywords: Ethnography. Soundscapes. Methodology.



video


video

ETNOGRAFÍA Y PAISAJE SONORO. REVISIÓN METODOLÓGICA DE TRES PROYECTOS DE INVESTIGACIÓN: VALLE DE AZAPA E ISLA MOCHA

Autores: Andrés Mario Fortunato Mankoch (AZAPA Producciones Ltda.), César Ignacio Borie Cervellino (AZAPA Producciones Ltda.)

Resumen

Nuestra propuesta de trabajo como equipo posiciona el sonido como parte integral de la experiencia etnográfica transmitida al lector/oyente, esto gracias a su capacidad de describir, contextualizar y/o evocar aquellos escenarios, voces, melodías y emociones que, como un todo, nos sitúan en el terreno mismo de la práctica etnográfica. Los paisajes sonoros, empleados con diversos énfasis dentro de nuestro trabajo, serán estudiados como una herramienta etnográfica independiente de los dispositivos gráficos y textuales. Se trata así de una estrategia reflexiva que busca revisar las distintas facetas exploradas en el ámbito de los paisajes sonoros y destacar sus potencialidades como transmisores de significado. En este artículo se discutirá dicha apuesta metodológica a la luz de los resultados de dos proyectos de investigación realizados en Azapa (extremo norte de Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) y “Azapa. El Ño Carnavalón” (2008), y de un proyecto desarrollado en Isla Mocha (zona centro-sur), “Mocha. Memorias Loberas” (2007).

Palabras Claves: Etnografía. Paisajes sonoros. Metodología.

Abstract
Our team’s research proposal deals with sound as an integral part of the ethnographic experience transmited to the reader/listener, this is achieved thanks to the capability of sound to describe, contextualize and evoke those scenarios, voices, melodies and emotions that, as a whole, locate us in the field of ethnographic practice. The soundscapes, used with diverse emphasis in our work, will be studied as an ethnographic tool independent from graphic and textual components. Thus, this is a reflexive approach that aims to go through our explorations in the realm of soundscapes and highlight their potential for meaning transmition. That methodological approach is discussed in this paper facing the results of two research proyects that took place in Azapa (Northern Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) and “Azapa. El Ño Carnavalón” (2007), and one developed in Mocha Island (South-Central Chile): “Mocha. Memorias Loberas” (2007).
Keywords: Ethnography. Soundscapes. Methodology.









video





video


(Continuação na próxima postagem...)

terça-feira, 10 de agosto de 2010

“DEUS ME LIVRE DE CANTAR ESSAS COISAS”

Autor: Ewelter Rocha (Universidade de São Paulo – USP / Universidade Estadual do Ceará – UECE)

Resumo

Este estudo realiza uma etnografia das formas e das expressividades sonoras relativas à devoção romeira presente no município de Juazeiro do Norte – CE, um dos maiores centros de romaria popular do Brasil. A ausência de prescrições litúrgicas e de ingerência eclesial sobre os modos de devoção, bem como a inexistência de legislação doutrinária que administrasse o campo do estético pertinente à religião, deixaram a cargo da tradição popular a elaboração de sua própria suma, relativa ao modo de ver e ouvir o mundo, seja no domínio espiritual, seja no âmbito social, estabelecendo-se uma orientação devocional que vê nas práticas penitenciais o único caminho para a salvação da alma. Partimos da hipótese que postula a existência de uma forma-sacrifício, a qual encerra uma pletora de signos culturais e religiosos instaurados no repertório musical tradicional e no corpo durante o ato de cantar. A noção de Consagração (Mauss e Hubert) embasa teoricamente nosso argumento.

Palavras-chave: Bendito. Catolicismo popular. Sacrifício. Juazeiro do Norte. Lamentos.

Abstract

This ethnographic study carries out an analysis of the sound shape and expressiveness related to the romeira devotion present in Juazeiro do Norte – CE, which is one biggest centers of popular romaria (pilgrimage) in Brazil. The absence of liturgical guidelines and interference on the types of devotion, as well as the inexistence of a dogmatic legislation to regulate the aesthetic field regarding religion, led the elaboration of the suma by the popular tradition, which is related to the way of seeing and hearing the world, either on the spiritual domain or on the social sphere, establishing a devotional orientation that considers the penitential practices as the only way to achieve the salvation of the soul. We part from the hypothesis that postulates the existence of a sacrifice-shape, which incorporates a huge variety of cultural and religious signs inserted into the body and the traditional musical repertoire during the act of singing. We postulate the idea that the benditos singing develops the function of consecrating the body.

Key-words: Bendito. Popular Catholicism. Sacrifice. Juazeiro do Norte. Laments.



video


“Ofício de Nossa Senhora”

Agora lábios meus/Dizei e anunciai/Os grandes louvores/da Virgem Mãe de Deus
Sede em meu favor/Virgem Soberana/Livrai-me do inimigo/Com o vosso valor
Glória seja ao Pai/Ao Filho ao amor também/Que ele é um só Deus/Em pessoas três
Agora e sempre/E sem fim amém.
Deus vos salve, Virgem/Senhora do mundo/Rainha dos Céus/E das virgens, virgem.
Estrela da manhã /Deus vos salve cheia/Da graça divina/Formosa louçã
Dai pressa, Senhora/Em favor do mundo/Pois vós reconhece/Como defensora
Deus vos nomeou/Já LA AB ÆTERNO/Para a mãe do verbo/Como a qual criou
Terra, mar e céus/Deus a escolheu/Quando Adão pecou/Por esposa de Deus
Deus a escolheu/E já muito adiante/Em seu Tabernáculo/Morada lhe deu
Ouvi, Mãe de Deus/Nossa oração/Toquem em vosso peito/Os clamores meus(...)




video


Obs.: As versões apresentadas em arquivo de áudio são cantadas pela ordem de penitentes do Sítio Cabeceiras, situada no município de Barbalha-CE e por D. Edite, rezadeira de Juazeiro do Norte – CE. A primeira tem seu uso vinculado a ofícios fúnebres.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Nova Sala do BIEV

Apresentação: O BIEV ganhou uma nova sala e os integrantes colocaram a mão na massa para deixar a nova sala o mais organizada possível.
Tags:
Quem esteve entre nós



terça-feira, 27 de julho de 2010

Voluntários e os Ambulantes

Apresentação: Esse exercício etnográfico dá pistas sobre a condição de trabalho dos vendedores de rua, em que estes ocupam certos lugares e “pontos” entre outros ocupantes do espaço público. Como descrevo no diário de campo, vou me aproximando dos informantes e desvendando as relações entre eles.
Fundo de origem: BIEV/NUPECS/LAS/PPGAS
Fonte: Projeto Coleções etnográficas, itinerários urbanos e patrimônio etnológico: a criação de um museu virtual. – FAPERGS/CNPq (ALCR)
Autor: Priscila Farfan Barroso (Bolsista de IC/FAPERGS)
Local: Porto Alegre/RS
Data: 12 de junho de 2007, 4 de dezembro de 2008
Tags: Tecendo a Observação Participante


Misturados entre os camelôs, estão os ambulante
Saí das tendas brancas direto para o Camelódromo da Praça XV, com tendas laranjas e amarelas, pensei que não iria encontrar muitos ambulantes por ali, pois a SMIC com a Brigada colocaram em prática desde o primeiro dia de dezembro a Operação Papai Noel, que tenta coibir o mercado informal e garantir maior segurança para os compradores. Mas misturado entre os camelôs vi ambulantes vendendo seus produtos, os “chamamentos” não eram tão intensos, entretanto estavam lá. Saindo do corredor entre os camelôs já podia ver a “entrada” da Rua Voluntários da Pátria, imponente me convidava a entrar e me confundir na multidão.”



Nessa “região” a maioria dos trabalhadores são homens entre 18 e 35 anos, vestindo calça, abrigo, muitos deles são morenos e parecem se arrumar bastante antes de ir trabalhar. Aquelas meninas morena e a loira continuam por ali, a direita do cabeludinho, a primeira está com uma roupa justa, e o cabelo bem penteado, a segunda tem um decote chamativo e em muitos momentos olha pra lado nenhum com seus olhos jabuticaba. Agora uma mulher está por ali, parece ser mãe da loira, ou das meninas, não sei, conversa com todos intimamente. E só diz para elas “Te liga.”

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Exercício sobre Bateson - Priscila

Apresentação: Esse é um exercício etnográfico baseado nas pranchas do
livro "Balinese Character" de Gregory Bateson e Margaret Mead publicado
em 1942. A partir da pesquisa desenvolvida sobre as práticas sociais do
vendedores ambulantes da Rua Voluntários da Prátria, o dispositivo das
pranchas provoca o leitor "mergulhar" nos gestos e na ambiência desse
métier na rua. Dessa maneira, as descrições e fotografias juntas narram
esse cotidiano do "estar lá"...
Fundo de origem: BIEV/NUPECS/LAS/PPGAS
Fonte: Coleção do Projeto BIEV - A criação de um museu virtual da cidade
- FAPERGS/CNPq (ALCR)
Autor: Priscila Farfan Barroso - Bolsista IC/FAPERGS
Local: Rua Voluntários da Pátria – Porto Alegre - RS
Data: 25/10/2009
Tags: Produção de ensaio etnográfico


Foto1: Os pedestres seguram bem a suas bolsas enquanto caminham pela Rua Voluntários da Pátria....

Foto 2: O Centro Popular de Compras está quase pronto, e os camelôs se preparam para mudar de local, já os ambulantes não se preocupam com seu futuro, pois ficarão na rua mesmo...

Foto 3: Os transeuntes continuam olhando os produtos expostos nas calçadas da Voluntários...

Foto 4: Mário já está em frente ao seu caixote oferecendo CDs e DVDs para quem passa...

Foto 5: Depois seu sócio Lucas se aproxima, os clientes não chegam e Mário aproveitar para bocejar...

Foto 6: Enquanto isso passam algumas pessoas. Júlinho, que também é vendedor ambulante, almoça de pé encostado na parede...

Foto 7: A kombi da BM, junto com a SMIC, fiscaliza as ruas do Centro de Porto Alegre para não deixar os vendedores ilegais trabalharem.... É nesse momento que Lucas pega dos CDs e DVDs exibidos, e dá um chute no caixote... Os dois vendedores saem de perto do local, e depois que passa a kombi voltam para o mesmo “ponto”.

Foto 8: Lucas ainda não coloca os produtos para exibir, mas já propagandeia o que vende para quem passa...

Foto 9: Então ele pega o caixote e se aproxima da esquina, e lá conversa com outro colega de profissão....

Foto 10: No outro dia, Lucas volta para seu “ponto” e aproveita para tirar o retrato com o Magro, Jota, Régis, João e o filho de uma colega...

Foto 11:Mas não dá para farrear demais, tem que trabalhar, oferecer seus CDs e DVDs antes que a BM e a SMIC passem de novo...

terça-feira, 6 de julho de 2010

GRUEE - 2010

Apresentação: As fotos a seguir foram tiradas em uma reunião do GRUEE em junho de 2010, estão nas fotos Marize, Stephanie, Pedro, Rafael, Renata, Anelise, Ana Paula Soares, Priscila, Ana Paula.
Tags: Quem esteve entre nós



terça-feira, 22 de junho de 2010

Seu Ari, Loiva e Maria Alice no entorno da pedreira

Apresentação: O texto abaixo trata de uma saída de campo com o objetivo de encontrar uma senhora filha de antigo trabalhador das pedreiras da região. No caminho até sua casa, conheço outra filha desses falecidos trabalhadores. Sendo ambas vizinhas e amigas, a pesquisa passa a problematizar a questão dos laços de trabalho e de vizinhança no local.
Fundo de origem: BIEV/NUPECS/LAS/PPGAS.
Fonte: Coleção do Projeto BIEV: a construção de um museu virtual da cidade
Autor: Stéphanie Ferreira Bexiga (Bolsa PIBIC/CNPq)
Local: Rua Bazílio Pellin Filho, Bairro Tristeza (Porto Alegre/RS)
Data: 02/05/2010
Tags: Tecendo a Observação Participante
Peguei uma carona até a parada (de ônibus) mais próxima da entrada do Sétimo Céu, e por ali comecei a caminhada; era cerca de 14h20. Continuei subindo a entrada desse reduto e, ao chegar na esquina do muro de cor salmão, vi que ele havia sido pintado e o pátio, “remexido”: sem a alta vegetação, restando apenas aquela grande árvore no meio, da qual Vitor há muito havia me falado.
Segui meu caminho: virei à esquerda na próxima rua [de paralelepípedos] e dali segui reto até a casa de Maria Alice. (...) Caminhei calmamente pela rua de “chão batido”, Bazílio Pellin Filho, e logo avistei uma senhora, de costas, segurando um bebê. Como uma tática utilizada em outra saída de campo na Tristeza, aproximei-me e cumprimentei-as, dando uma atenção maior à pequena Manuela; comecei a conversar com elas. E dona Loiva começou a me dar pistas das suas memórias: “Eu me criei aqui no morro”, perguntando-me logo depois se eu morava por ali: “Não, mas eu vim visitar uma pessoa que mora aqui, não sei se a senhora conhece,a Maria Alice?!”. Ela logo falou “ahh sim, uma morena? Ela mora ali (apontando com a mão), sim, conheço, o pai dela trabalhou com o meu na pedreira”.
Perguntei-lhe sobre a relação entre os vizinhos, já que ela havia me falado de Maria Alice, e Loiva me fala que além de seus pais, tinha o “Seu Ari”, que morava no lugar onde hoje é a estação do DMAE, “é, depois venderam pro Dmae, mas era o Seu Ari que morava ali, mas aí agora já foram embora”. Já ela e sua família... “de lá até aqui é tudo minha família. Ta vendo aquele guri lavando o carro? Aquele lá é meu sobrinho, ele ta fazendo faculdade também (a essa altura eu já havia lhe falado da pesquisa e do curso), Engenharia, até se tu quiser falar com ele também...eu posso te ajudar nessa tua pesquisa, é só tu me dizer...”
Pistas teóricas já relatavam a existência dessa “comunidade de trabalho” (Eckert, 1993), mesmo que, numa conversa com Maria Alice, ela havia reforçado que só sua família vivia ali; não sei muito bem o que ela quis dizer com isso, talvez estivesse se referindo a um certo territorio que fosse, primordialmente, de seu pai e família, pois, como vi, o beco 1, onde fica sua casa, parece ter uma certa divisão com a área a qual se referia dona Loiva: as casas de sua família tinham frente para a rua Bazílio Pellin Filho, enquanto as de Maria Alice e demais moradores do beco, faziam uma espécie de círculo, voltando suas portas para as ruelas do interior. Cheguei a perguntar para Loiva como se chamava aquela parte onde mora e ela me disse que até a estação do DMAE é Sétimo Céu; fronteiras simbólicas e geográficas que talvez estivessem reclamando sua descoberta.
Referências Bibliográficas: ECKERT, Cornelia. Memória e Identidade – Ritmos e Ressonâncias da Duração de uma Comunidade de Trabalho: Mineiros do carvão (La grand-Combe, França). Cadernos de Antropologia, n11. Porto Alegre, 1993.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Narradores Urbanos - Teresa Caldeira

Apresentação: As fotos abaixo foram feitas na gravação do documentário Narradores Urbanos, em uma entrevista com Teresa Caldeira. Nelas, estão: Rafael Devos, Viviane Vedana, Cornelia Eckert, James Holston e a própria Teresa.
Tags: Eu Estive Lá









quarta-feira, 2 de junho de 2010

O “Foot-ball” menor e amarelado...

Apresentação: Folhar as páginas e fotos amareladas de um acervo é sempre um trabalho interessante e lúdico para a memória do pesquisador. Através do diário de campo, é possível em alguns momentos mostrar essas múltiplas facetas e jogos que ocorrem na memória e nas intersubjetividades presentes na pesquisa etnográfica.
Fundo de Origem: BIEV/NUPECS/LAS/PPGAS
Coordenadores: Ana Luiza Carvalho da Rocha e Cornelia Eckert
Fonte: Coleção Futebol de várzea, Sociabilidade e Memória do Trabalho, ligada ao projeto Estudos etnográficos em antropologia visual e sonora em sociedades complexas.
Autor: Rafael Lopo (mestrando, bolsista CNPQ)
Data: 07 de junho de 2010
Local: Museu de Comunicação Hipólito José da Costa, Porto Alegre, RS
Tags: Os interiores da pesquisa etnográfica

Ao começar a folhar as páginas, começo a ficar extasiado, e até um pouco desnorteado. Das reportagens extremamente cuidadosas sobre o “choque-rei” do futebol gaúcho, aos confrontos dos times da região metropolitana, me sinto pequenino, entrando no reino dos chapéus panamás e falando com um coelho. Brincadeiras a parte, há muita informação que deslocaria qualquer aprendiz de etnógrafo desatento de seu objetivo de pesquisa. Começo tirando algumas fotos por curiosidade. Os cartazes de cinema me lembram da fala de seu Estevão. Do filme Belinda, ao líder de bilheteria de James Dean, Juventude Transviada, que estava em cartaz no cine Vitória e no Eldorado. As notícias de trânsito e da Voluntários me lembram das outras pesquisas do BIEV, e a maioria das imagens me faz pensar nestas múltiplas e metamorfas feições do tempo na cidade de Porto Alegre. Anúncios de terrenos na Vila Safira, notícias de campeonato de carrinho de lomba (!), tudo me parece ser fundamental para minhas coleções...


Depois de dois ou três exemplares sem nenhuma notícia sobre o futebol de várzea, começo a me tomar por um certo desânimo reflexivo. Desânimo, porque fiquei sem achar nada sobre o futebol de várzea, e reflexivo porque comecei a pensar na relação com o futebol profissional, e imaginei que talvez nem existisse assim esse abismo de diferença que é proclamado nas eras de Ronaldinhos, transações de além-mar, salários “milionétricos” e Copa do Mundo no Brasil!!! Eis que surge, como um elo perdido, o cálice sagrado (do Monty Phyton), a expressão que brilharia por muitos e muitos números da Folha Esportiva: NO SETOR DO FOOT-BALL MENOR...


Sim!!! O “Foot-ball” menor tinha sim seu espaço, e craques como Alfeu e Bicudo, Picolé e Latinha podiam ser elogiados por grandes jornalistas como Walter Galvani, Tulio de Rose, e obviamente, seu Jorge Mendes. Na verdade, nunca apareceu, como era comum em jornais antigos, nomes específicos do autor das reportagens, e isso é algo para se perguntar na entrevista com seu Jorge!